ACM divulga nota e rebate acusações

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de março de 2003 as 09:52, por: cdb

O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) divulgou nota neste sábado desmentindo que as denúncias encaminhadas por ele, no ano passado, aos ex-ministros Pedro Parente (Casa Civil), Guilherme Dias (Planejamento), e Anadyr Rodrigues (Corregedoria-Geral da União) tenham sido baseadas em grampos telefônicos ilegais.

A revista IstoÉ deste fim de semana aponta as coincidências entre as acusações feitas por ACM contra o deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e o ex-deputado Benito Gama (PMDB-BA) e as conversas grampeadas destes mesmos políticos.

“Querer ligar tais fatos a grampos porventura existentes é apenas mais uma das muitas tentativas de abafar fatos graves que poderiam ser apurados pelas autoridades públicas e pela imprensa”, declara ACM, em nota oficial.

De acordo com ele, essa é mais uma especulação com o objetivo de atingi-lo. Ele lembra que sempre teve como hábito – mesmo na época em que apoiava o governo Fernando Henrique – de alertar o Executivo sobre atos de corrupção.

“Tais documentos não foram revelados à época porque o presidente FHC costumava não dar publicidade às cartas que recebia”, prossegue o senador.

ACM garante que sempre defendeu a moralidade administrativa. Para ele, é uma pena que a publicação de tais documentos não tenha sido feita na sua totalidade e na íntegra, porque “se o fossem, muitos outros ilícitos viriam a público”.

“Chega a ser irrisória a publicação de faxes ou cartas que enviei às autoridades federais denunciando atos de corrupção e solicitando providências do governo com o objetivo de coibi-los”, contrapõe ACM.