ACM defende salário mínimo digno e elogia Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de julho de 2003 as 10:06, por: cdb

No programa político do PFL baiano, exibido na noite desta segunda-feira em cadeia estadual de rádio e TV, na Bahia, o senador Antonio Carlos Magalhães lembrou a luta pessoal e do partido por um salário mínimo digno – o senador baiano defende um mínimo equivalente a US$100 -, elogiou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e criticou a incoerência do PT no que tange às reformas constitucionais.

ACM voltou a ressaltar que é a favor de um salário mais justo do que os R$ 240,00 oferecidos pelo governo federal. Ele se posicionou contra o aumento da carga tributária brasileira, que hoje corresponde a cerca de 36% do Produto Interno Bruto (PIB).

– Sou pelo aumento do mínimo e contra o aumento de impostos. O País não precisa mais de aumento de impostos e da carga tributária – disse o senador baiano. Para ele, a queda de juros é uma necessidade, mas isso depende de uma série de fatores macroeconômicos.

– Sou favorável à queda de juros, pois isso iria promover desenvolvimento.

O ex-presidente do Congresso Nacional também criticou a incoerência do PT no tocante às reformas constitucionais e defendeu a oposição responsável ao governo do presidente Lula.

– Se o PT mudou de posição em relação às reformas, defendendo hoje o que foi contra no passado, nós não podemos mudar a nossa posição e ser contra. Devemos continuar defendendo o que defendíamos no passado – afirmou ACM, que pregou a transigência na política.

– A intransigência é má conselheira na política – declarou.

ACM demonstrou confiança no presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

– Um operário não chega à Presidência com a votação que ele teve sem qualidade. Tivemos pouco contato, talvez menos do que desejávamos, mas nos poucos que tivemos constatei que ele é um homem bom.

No final do programa, após as exposições do governador Paulo Souto e do prefeito Antonio Imbassahy, o líder político baiano assegurou que sempre lutará pela Bahia e pelos baianos no Congresso Nacional, defendendo os interesses do Estado.

– Estou muito feliz a cada dia que passa lutando para servir o povo da Bahia. Enquanto eu tiver vida, eu estarei lutando pela Bahia e pelos baianos – concluiu o senador.

O senador voltou a defender a participação das Forças Armadas no combate ao crime e à violência que assombra a população brasileira. Ele afirmou que “segurança pública é coisa séria no País” e que, sem ordem, o Brasil nunca irá progredir.

O baiano disse que ordem depende de segurança.

– E quem pode dar segurança aos cidadãos são as Forças Armadas – ressaltou o senador no programa, que exibiu o discurso em que ACM cobrou, no plenário do Senado, a participação do Exército, Marinha e Aeronáutica no combate à violência.

– Não temos guerras externas, portanto é preciso repensar o papel das Forças Armadas – afirmou ACM, destacando que “são 350 mil homens que podem dar segurança à população”.