Acidentes marcam início do Rally Terra Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 19 de junho de 2003 as 22:42, por: cdb

O Rally Terra Brasil começou agitado. Logo na primeira especial (trecho cronometrado), com apenas 48 km, dois carros capotaram e a prova teve de ser interrompida para que dois competidores recebessem socorro médico. O primeiro incidente aconteceu no trecho inicial
da especial, próximo a Macaé. O carro dos cariocas Bruno Peixoto Ribeiro e Flávio Frydman, uma Mitsubishi L200, capotou. Os dois nada sofreram e continuam no rally.

A seis quilômetros do final trecho cronometrado, depois da zona de radar, outro acidente, dessa vez mais grave, parou a prova. A dupla Franco Giaffone e Alberto Fadigatti, primeira colocada no prólogo, em Rio das Ostras, na manhã desta quinta-feira (com o tempo de 1min53s), perdeu o controle de sua L-200. A caminhonete caiu em um precipício e pegou fogo.

– Estávamos em um trecho de reta, entre 60 e 70 km por hora. A pista tinha muitas pedras e joguei o carro para a lateral, para andar sobre a grama. Só que a vegetação escondeu uma vala. Ainda tentei controlar o carro, mas acabamos tombando – explicou Giaffone, que sofreu apenas pequenos arranhões no rosto. A caminhonete rolou por uma ribanceira de 70 metros, capotando várias vezes.

– Depois que o carro caiu em um buraco, não vi mais nada. Quando o carro parou, só deu tempo de sair, antes de pegar fogo – completou Fadigatti.

Giaffone foi atendido no hospital de Santa Maria Madalena e liberado em seguida. Fadigatti, que já sofreu uma lesão vertebral durante o Rali Paris Dakar de 2001, recebeu atenção especial da equipe médica e ficou sob observação. Ele deixou o hospital caminhando, mas preferiu partir para Campos dos Goitacazes, para fazer uma radiografia da coluna.

O trabalho de resgate interrompeu a prova e a organização do rally decidiu anular o trecho final da especial, após os radares. Com isso, os tempos da primeira especial só serão divulgados no início da noite. A segunda especial do dia, com 60 km, estava prevista para o meio da tarde, entre Santa Maria Madalena e Campos dos Goitacazes.

A dupla da equipe Petrobras Lubrax, Klever Kolberg e Lourival Roldan, segunda colocada no prólogo (1min54s), foi a primeira a chegar à praça central de Santa Maria Madalena, local neutralizado de apoio entre os dois trechos cronometrados.

– Vínhamos muito tranquilos, concentrados nas subidas e descidas, e vendo à frente a poeira dos primeiros colocados no prólogo (Giaffone/Fadigatti). De repente, a poeira sumiu e quando chegamos em Santa Maria Madalena eles não estavam aqui. Não entendi nada – lembra Kolberg.

Nesta sexta-feira, o Rally Terra Brasil terá sua etapa mais longa. Os competidores irão de Campos dos Goitacazes, no norte do Rio de Janeiro, até Linhares, já no Espírito Santo. No total, serão percorridos 502,38 km, com três trechos especiais (cronometrados) de 35, 95 e 21 km, respectivamente. Novamente os pilotos enfrentarão trechos montanhosos e muito travados.

O segundo dia de competição promete ser ainda mais duro do que o primeiro.

– É normal que o começo do rally seja de quebradeira. A partir do terceiro dia, com quem sobrar, é que começa a disputa real pelas posições – diz Édio Fuchter, da equipe Chevrolet.

A novidade será o início do Terra Brasil para motos e quadriciclos. Até quarta-feira, cerca de 30 motos estavam confirmadas. A organização do rally espera até 35 veículos inscritos na categoria. As inscrições ficaram abertas até esta quinta-feira. Os destaques são Jean Azevedo, atual campeão brasileiro, Juca Bala e José Hélio Rodrigues.