AAA 5 de Setembro de 2011 – 18h44 Pesquisa aponta menor aprovação a Kassab, que rebate

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de setembro de 2011 as 16:41, por: cdb

Pesquisa Datafolha, divulgada hoje (5), indica que a aprovação à gestão do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), atingiu seu menor índice em quatro anos. Segundo levantamento, 24% dos paulistanos avaliam a gestão Kassab como ótima ou boa. A margem de erro é de três pontos percentuais (para mais ou para menos). No entanto, em 2007, sua taxa de aprovação era de apenas 15%.


Em março deste ano, a pesquisa Datafolha indicou que 29% achavam seu governo ótimo ou bom. Outros 43% apontavam o governo municipal como ruim ou péssimo e 27% diziam que era regular. Agora, a reprovação ao prefeito caiu para 32% e o índice de regular subiu para 41%.

Segundo a análise da Folha Online, os números estariam desfavorecendo Kassab após ele se envolver com a criação de seu novo partido, o PSD, e a crise na área da saúde – com o fechamento de vagas em hospitais.

Em março de 2007, Kassab obteve taxa de aprovação de apenas 15%. O prefeito assumiu o governo um ano antes, depois de José Serra (PSDB) renunciar para ser candidato a governador.

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, minimizou a pesquisa. “Existe muita confiança no sentido de entender que as transformações acontecem na cidade de São Paulo e ela está melhor em todos os campos. Isso nos enche de confiança para continuar o trabalho, na certeza de que, ao final, a gestão será muito bem avaliada”, declarou Kassab, após participar de seminário sobre regiões metropolitanas promovido pela senadora e pré-candidata à sua sucessão Marta Suplicy (PT).

Kassab afirmou que a leitura da pesquisa permite achar “números bastante positivos” se somar as avaliações de ótimo e bom (24%) e de regular (41%).

Ele observou que a análise sobre esta ser a sua pior avaliação desde 2007 é relativa. “Você pode chegar à conclusão de que é a pior analisando só item específico, mas você pode concluir que melhorou analisando outros. A análise tem de ser um pouco mais ampla”, alertou Kassab.

Da mesma forma, relativizou os dados eleitorais da pesquisa. Sobre o fato de ser o “padrinho” com menor potencial de influenciar o voto do eleitor –apenas 15% dizem que votariam com certeza num candidato indicado por ele, segundo Datafolha –, Kassab afirmou que ainda é cedo para auferir preferência eleitoral.

Fonte: Folha Online