A ajudazinha da mídia ao candidato do sistema

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de outubro de 2002 as 00:07, por: cdb

José Serra conseguiu uma notável vitória ao subir os pontinhos necessários para ir ao segundo turno. Teria ele recebido um empurrãozinho da mídia? Nesta campanha, os quatro grandes jornais empenharam-se em aparentar um certo grau de isenção no noticiário, mas nunca deixaram de apoiar Serra nos seus editoriais – e, muitas vezes, também no noticiário. O que mudou em relação às campanhas de 1994 e 1998 foi o estilo de manipulação da informação, desta vez muito mais discreto.

Definiu-se um padrão peculiar de tratamento editorial dos fatos, no qual Serra raramente era criticado, como se gozasse de imunidade. E o candidato mais fustigado pela mídia em cada fase da campanha foi sempre – vejam a coincidência – o que mais estivesse ameaçando o tucano naquele momento: primeiro Roseana, depois Ciro Gomes e, finalmente, Garotinho. Por isso, Lula foi relativamente poupado pela mídia durante a maior parte da campanha. Os tucanos temiam que a crítica a Lula poderiam levar seus votos a Ciro e ou a Garotinho. Isso não interessava a Serra.