78% no Brasil são pessimistas com 2º governo Bush

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de janeiro de 2005 as 14:55, por: cdb

Uma pesquisa encomendada pelo Serviço Mundial da BBC indica que 78% dos brasileiros entrevistados consideram a reeleição de George W. Bush negativa para a paz e a segurança no mundo.

O resultado no Brasil é o terceiro pior para o presidente americano entre os 21 países em que o levantamento foi feito.

Na média, 58% dos entrevistados se mostraram pessimistas com a reeleição de Bush, contra 26% de otimistas. No Brasil, os otimistas são 17%.

Em apenas três dos países pesquisados, a reeleição de Bush foi vista como positiva para a segurança mundial: Índia, Polônia e Filipinas.

A Europa Ocidental, a América Latina e os países muçulmanos foram os que tiveram respostas mais negativas em relação a Bush. A Ásia foi a região mais favorável ao presidente.

– Nossa pesquisa deixa claro que a reeleição do presidente Bush isolou ainda mais a América do mundo – afirmou Doug Miller, presidente da GlobeScan, empresa de pesquisas de opinião que conduziu o levantamento a pedido da BBC.

A pesquisa também sugere que a reeleição de Bush está piorando a imagem dos americanos em geral, principalmente entre aliados tradicionais, como França, Alemanha, Canadá e Grã-Bretanha.

Mesmo assim, a influência dos Estados Unidos como um todo não foi considerada negativa pela maioria dos entrevistados.

O levantamento mostra que 47% consideram a influência americana “principalmente negativa”, contra 38% que a consideram “principalmente positiva”.

A diferença se repete no Brasil: 51% vêem os americanos como uma influência ruim, contra 42% que vêem com bons olhos o poder americano.

– Aqueles que dizem que os Estados Unidos estão tendo uma influência claramente negativa no mundo ainda não constituem uma maioria mundial definitiva, o que sugere que ainda existe uma abertura para melhorar as relações com os Estados Unidos – afirmou Steven Kull, diretor de um instituto da Universidade de Maryland que também participou da pesquisa.

Iraque

O levantamento também perguntou o que os entrevistados achavam de seu país enviar soldados para o Iraque.

Na média, 70% se mostraram contrários ao envio, e 27% disseram que a reeleição de Bush reforçou essa opinião.

Mesmo em países que enviaram tropas ao Iraque, como Grã-Bretanha e Austrália, o levantamento indica que a maioria dos entrevistados se opõe à presença militar no país.

“Não se encontra apoio para a contribuição com soldados para o Iraque”, afirmou Steven Kull, da Universidade de Maryland.

Apesar disso, em levantamento feito com mil americanos, 56% deles indicaram que a reeleição de Bush é boa para a segurança mundial.

A pesquisa tem margem de erro que varia entre 2,5 a 4 pontos percentuais para cima ou para baixo, dependendo do país.

No caso do Brasil, a margem de erro é de 3,5 pontos, segundo a Market Analysis Brasil, responsável pelo levantamento no país.

Foram entrevistadas 800 pessoas em oito regiões metropolitanas do Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Brasília, Salvador e Recife.

No mundo todo, foram quase 22 mil entrevistados.

As entrevistas foram feitas entre 15 de novembro de 2004 e 3 de janeiro de 2005.