59 pessoas morreram por calor excessivo na Espanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 17 de setembro de 2003 as 23:30, por: cdb

O relatório sobre o impacto da onda de calor neste verão revela que durante os meses de julho e agosto morreram na Espanha 59 pessoas pelo “golpe de calor” e 82 por agravamento de doenças já existentes, informou nesta quarta-feira o Ministério da Saúde.

A titular do departamento, Ana Pastor, apresentou o estudo, baseado em informações das próprias Comunidades Autônomas (regiões), aos conselheiros autônomos da Saúde e todos concordaram em avaliar “positivamente” o funcionamento dos serviços de saúde durante julho e agosto.

Segundo o relatório, as principais causas de morte durante o último mês de agosto são as mesmas que nos meses anteriores, sem que haja um modelo distinto que gere suspeitas sobre um aumento de causas de mortes prematuras ou evitáveis desde o ponto de vista de saúde.

O estudo supõe que em 2003 houve diminuição da mortalidade em relação a 2002 nos meses de janeiro a maio, mas um aumento durante junho e agosto.

Apesar das aparentes diferenças, o Ministério da Saúde destaca que o número de mortes acumuladas difere apenas entre um ano e outro, e que em 2003 houve um total de 1,7 mil mortes a menos.

No relatório foram comparadas as oscilações de mortalidade em julho e agosto deste ano com o mesmo período de 2002 e se observa, segundo o Ministério, que não há coincidência entre os maiores aumentos de mortalidade e as temperaturas máxima alcançadas.

Segundo o Ministério da Saúde, na reunião realizada nesta quarta, concluiu-se que o Sistema Nacional de Saúde “respondeu com normalidade a demanda de assistência de médica” e que o aumento da demanda durante a onda de calor foi similar ao que se costuma registrar durante os meses de verão.