“É Passos Coelho que o país não aguenta”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 25 de novembro de 2012 as 19:32, por: cdb

Catarina Martins afirma que o país não aguenta um governo com esta leviandade e irresponsabilidade, e que o primeiro-ministro, diante do fracasso da estratégia da austeridade, quer empobrecer o país duas vezes.Artigo |26 Novembro, 2012 – 00:24 Catarina Martins disse que se o governo empobreceu o país uma vez, quer agora empobrecer o país duas vezes.

 

Em resposta ao primeiro-ministro, que disse este domingo na Madeira que “não chegámos ao limite da austeridade”, e que “o país ainda aguenta”, Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda disse que é Passos Coelho que o país não aguenta. “O país não aguenta um governo com esta leviandade, com esta irresponsabilidade e com este topete”.

A deputada do Bloco recordou que está a ser votado um Orçamento de Estado em que “pessoas com pensões de 275 euros têm a sua pensão congelada. Em que quem ganha 850 euros vai pagar mais 40% de IRS. Não se pode dizer às pessoas que aguentem mais austeridade”. Recordando os mais de um milhão de desempregados, na sua maioria sem qualquer apoio social, Catarina Martins recordou que “temos um secretário de Estado da Educação que assume que há milhares de crianças que chegam às escolas com fome”.

“Sabemos bem que o país não aguenta mais”, disse a coordenadora do Bloco, recordando as mobilizações que estão convocadas nos próximos dias, “momentos extraordinariamente importantes de protesto e indignação”, citando a manifestação dia 27 diante da Assembleia da República, convocada pela CGTP, as mobilizações do setor da restauração e dos trabalhadores dos portos.

Estratégia falhada

Catarina Martins evocou ainda os últimos dados da execução orçamental para mostrar até que ponto a estratégia da austeridade do governo fracassou. “Depois de tudo o que o governo fez, depois de todos os cortes, dos aumentos de impostos, a perda dos subsídios, a perda de serviços públicos, o défice real, segundo os dados da execução orçamental, será exatamente o mesmo que o ano passado: 7,2%”, disse a deputada bloquista, afirmando que “já não é um desvio, já não é um erro, é toda uma estratégia que falhou. E essa estratégia que falhou como um todo dizem-nos agora que está ligada à refundação do Estado”.

Para a coordenadora do Bloco, “o que o governo que falhou em tudo está agora a dizer que se empobreceu o país uma vez, terá de empobrecer o país duas vezes”. Sobre a estratégia anunciada de “refundar o Estado”, Catarina Martins disse: “sabemos que refundar o Estado é diminuir os serviços públicos, é diminuir direitos que são de todas e de todos, que nós pagamos com os nossos impostos, e com o trabalho. É dizer que tudo isso vai ser diminuído: o país vai empobrecer duas vezes”.

Bloco quer limitar aumento dos passes sociais e tarifas de transportes públicos em 2013

Catarina Martinds falava no Fórum da Mobilidade e Transportes Públicos, organizado em Lisboa pelo Bloco. Nesse fórum, foram aprovadas propostas como a imposição de restrições no aumento do valor dos passes sociais e tarifas dos transportes públicos em 2013, e a reposição dos passes para crianças, adolescentes e idosos, num conjunto de medidas alternativas sobre mobilidade.

O Bloco de Esquerda apresentou ainda um conjunto de propostas contra a privatização ou concessão a privados dos transportes públicos, nomeadamente a TAP e a ANA – porque a privatização “pode retirar toda a capacidade de um setor estratégico para o país” – e também a CP Carga e as linhas urbanas.

Artigos relacionados:  Bloco desafia PS e PCP a enviarem Orçamento para o TC Contra a violência da austeridade, pensar o futuro das lutas